Investimento

Biblioteca Nacional receberá R$ 21,1 milhões para obras de preservação e revitalização

O secretário especial da Cultura, Henrique Pires, se reuniu, na tarde desta segunda-feira (3), com a presidência da FBN, vinculada do Ministério da Cidadania. Na pauta, obras que incluem modernização do sistema de combate a incêndio

publicado: 05/06/2019 11h13,
última modificação: 07/06/2019 11h31
A presidente da Fundação da Biblioteca Nacional, Helena Severo, e o secretário especial da Cultura, Henrique Pires, comemoram o investimento de R$ 21,1 milhões na FBN (Foto: Clara Angeleas / Ministério da Cidadania)

O secretário especial da Cultura do Ministério da Cidadania, Henrique Pires, se reuniu na tarde desta segunda-feira (3) com a diretoria da Fundação da Biblioteca Nacional (FBN), vinculada ao Ministério da Cidadania, para tratar das obras de modernização do sistema de combate a incêndio, iluminação e sinalização de emergência dos edifícios sede e anexo da FBN, no Rio de Janeiro. Na ocasião, o representante do governo federal anunciou os investimentos para dar início às obras de preservação e revitalização: R$ 21,1 milhões, disponibilizados por meio do Fundo de Defesa dos Direitos Difusos (FDD), vinculado ao Ministério da Justiça.

Durante o encontro, Pires reforçou a importância da revitalização para a preservação de obras raras brasileiras, salvaguardadas na Biblioteca Nacional. “O objetivo é trazer o que há de mais moderno em termos de preservação e na salvaguarda desse material maravilhoso que está na zona portuária do Rio de Janeiro”, afirmou.

As obras são consideradas primordiais para a instituição, segundo a presidente da fundação, Helena Severo: “Devido às últimas chuvas que ocorreram no Rio de Janeiro, o prédio do anexo foi muito prejudicado, está mais vulnerável e o telhado foi uma das áreas mais afetadas. Precisamos preservar o acervo precioso que a Biblioteca Nacional possui”.

Em março deste ano, o secretário especial da Cultura realizou uma inspeção nos depósitos da instituição e confirmou, presencialmente, a riqueza do acervo da instituição – o investimento no local é resultado desse encontro, quando foram apresentadas as demandas em infraestrutura da FBN.

A Fundação Biblioteca Nacional é responsável pela execução da política governamental de captação, guarda, preservação e difusão da produção intelectual do país. Além de preservar a memória cultural bibliográfica brasileira, a instituição atua no fomento à produção e difusão do conhecimento.

Sobre a reforma


Henrique Pires e a secretária-executiva do Ministério da Cidadania, Tatiana Alvarenga, realizaram vistoria no acervo da FBN, em março deste ano (Foto: Divulgação)

O projeto de combate e preservação contra incêndios destinado à FBN contempla o aumento do número de hidrantes internos e externos, a reforma da casa de bombas de incêndio, a instalação de novas luminárias de emergência e a implantação de sinalização para rota de fuga. As melhorias levarão em consideração as características originais da edificação, já que ela é tombada como patrimônio cultural pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), entidade também vinculada ao Ministério da Cidadania.

As obras que serão realizadas no prédio anexo tem como objetivo a adequação da antiga edificação de beneficiamento de grãos em um local apropriado para guarda e preservação de acervos. O projeto contempla instalações prediais e aquisição de estanteria. O segundo pavimento ficará reservado para a guarda do material. Já o pavimento térreo será destinado à utilização da população, com salas de leitura multiuso, espaço para eventos e cafeteria, totalizando uma área de aproximadamente 10 mil metros quadrados.

Os pavimentos serão dotados de sistema de climatização e controle de umidade. Ainda serão recuperadas integralmente a fachada e a cobertura, com o aproveitamento de revestimentos e esquadrias remanescentes da antiga edificação.

A reforma da FBN é um dos 22 projetos ligados às áreas de patrimônio cultural, museus e bibliotecas contemplado com recursos do governo federal. No total, cerca de R$ 184 milhões serão liberados para projetos em seis estados (Alagoas, Bahia, Maranhão, Pernambuco, Rio de Janeiro e Santa Catarina). Os recursos são provenientes de condenações judiciais, multas e indenizações repassadas ao Fundo de Defesa dos Direitos Difusos (FDD) para a reparação de danos causados ao meio ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico.

História e patrimônio

A criação da Fundação Biblioteca Nacional como a então Real Biblioteca no Brasil está ligada à transferência da rainha Dona Maria I, do príncipe regente Dom João, de toda a família real e da Corte Portuguesa para o Rio de Janeiro, em 1808. O acervo trazido para o Brasil – 70 mil peças, entre livros, manuscritos, mapas, estampas, moedas e medalhas – foi acomodado, inicialmente, em uma das salas do Hospital do Convento da Ordem Terceira do Carmo. A Real Biblioteca foi fundada em 1810 e aberta ao público em 1814. É considerada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) uma das dez maiores bibliotecas nacionais do mundo – é também a maior biblioteca da América Latina.

Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial da Cultura
Ministério da Cidadania