Cooperação

Brasil e Itália estreitam relações bilaterais na área da cultura

Secretário especial da Cultura, Henrique Pires, reuniu-se com a vice-ministra de Bens e Atividades Culturais da Itália, Lucia Borgonzoni, para tratar de parcerias nas áreas de patrimônio, cinema, teatro, TV e museologia

publicado: 18/06/2019 19h24,
última modificação: 25/06/2019 08h45
Equipes de Brasil e Itália se reuniram para debater parcerias entre os dois países nas áreas de patrimônio, cinema, teatro, TV, museus e bibliotecas públicas (Foto: Mauro Vieira/Ministério da Cidadania)

O secretário especial da Cultura do Ministério da Cidadania, Henrique Pires, e a vice-ministra de Bens e Atividades Culturais da Itália, Lucia Borgonzoni, se reuniram na tarde desta terça-feira (18), na sede da Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro. Em pauta, parcerias entre os dois países nas áreas de patrimônio, cinema, teatro, TV, museus e bibliotecas públicas.

Durante o encontro, Henrique Pires destacou o interesse de que Brasil e Itália sejam parceiros para a preservação de acervos museais, em especial em projetos que visem, além da digitalização e disponibilização de acervos, a preservação e restauração de documentos históricos. A vice-ministra italiana disse que esse tema é prioritário para a Itália. “Só preservamos o que compartilhamos e a digitalização é a forma de partilhar a nossa memória e mantê-la viva”, destacou.

O secretário também ressaltou as possibilidades de colaboração para o bicentenário de Independência do Brasil, a ser comemorado em 2022. Para tanto, Pires sugeriu a identificação de acervos que dialoguem com o tema e, também, de locais que possam abrigar exposições em comemoração à data.

A colaboração na área de cinema também foi abordada, com possibilidade de lançamento de editais de coprodução, com recursos de US$ 150 mil do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). Borgonzoni afirmou que as tratativas para o edital já se encontravam em curso, mas que foram interrompidas em razão das eleições italianas, e confirmou o interesse em retomá-las.

Henrique Pires também mencionou a possibilidade de que a Biblioteca Nacional (FBN) colabore com a Itália nos eventos sobre os 500 anos da morte de Leonardo Da Vinci. “É possível que, considerando todas as medidas de segurança, nós possamos contribuir com a comemoração que os italianos estão preparando. A Biblioteca Nacional tem em seu acervo uma obra raríssima, a cópia do Homem Vitruviano, uma das mais famosas obras atribuídas ao atelier do artista”, afirmou o secretário.

A vice-ministra também falou sobre a promoção da língua italiana no Brasil e sobre a possibilidade de vinculá-la a outras atividades culturais, como escolas experimentais de cinema, por exemplo.

Preservação do patrimônio

Outro tema abordado foi a preservação do patrimônio. Brasil e Itália têm colaborado de forma mais próxima nessa área desde o incêndio no Museu Nacional da Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro, em setembro de 2018. Na ocasião, foi destruída grande parte da coleção greco-romana trazida ao Rio pela imperatriz Teresa Cristina. O governo italiano se dispôs a ceder parte de seu patrimônio histórico e artístico, e suas excelências na restauração, para que a coleção do Museu Nacional seja reconstituída. Henrique Pires também propôs o intercâmbio de experiências e de normativas sobre a gestão de equipamentos culturais.

Lucia Borgonzoni mostrou interesse em desenvolver parcerias no âmbito da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Uma das propostas é a candidatura múltipla para a preservação do patrimônio imaterial. A vice-ministra citou o carnaval, cuja proposta poderia ser liderada pelo Brasil e seguida por diversos outros países onde as festividades também fazem parte da cultura local. Ela também mencionou o desenvolvimento de aplicativos via satélite para o monitoramento de patrimônios históricos que têm sofrido danos em virtude das mudanças climáticas.

Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial da Cultura
Ministério da Cidadania