Investimento

Casa de Rui Barbosa terá edifício próprio para preservação e exposição de acervos culturais brasileiros

Com um investimento de aproximadamente R$ 30 milhões, o centro cultural irá abrigar documentos, filmes, objetos, mobiliários, mapas e conteúdos digitais relacionados a escritores brasileiros, incluindo o patrono Rui Barbosa

publicado: 05/06/2019 11h40,
última modificação: 07/06/2019 11h31

O secretário especial da Cultura do Ministério da Cidadania, Henrique Pires, e a presidente substituta da Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB), Lucia Velloso, comemoraram o investimento de aproximadamente R$ 30 milhões na construção de centro cultural (Foto: Clara Angeleas / Ascom Ministério da Cidadania)

A preservação de materiais representativos da cultura brasileira foi o foco da reunião entre o secretário especial da Cultura do Ministério da Cidadania, Henrique Pires, e a presidente substituta da Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB), Lucia Velloso. Eles conversaram, na tarde desta segunda-feira (3), no Rio de Janeiro, sobre a construção do Centro Rui Barbosa de Preservação de Bens Culturais. O local irá abrigar e disponibilizar mais de 150 acervos da fundação, entidade vinculada ao Ministério da Cidadania.

Serão investidos R$ 29,9 milhões na construção do centro cultural. A verba tem origem no Fundo de Defesa dos Direitos Difusos (FDDD), ligado ao Ministério da Justiça. Destinados à reparação de danos causados ao meio ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico, os recursos do fundo irão beneficiar 22 projetos em seis estados (Alagoas, Bahia, Maranhão, Pernambuco, Rio de Janeiro e Santa Catarina). Destes, o centro vinculado à FCRB será o projeto que receberá mais recursos, de um total de aproximadamente R$ 184 milhões.

Segundo o secretário especial da Cultura, Henrique Pires, a liberação dos recursos permitirá a salvaguarda de importantes acervos para a cultura brasileira. “No total, são 155 acervos que serão armazenados de forma adequada, incentivando estudos e pesquisas. Além disso, todo esse material está finalmente bem preservado”, completa o secretário. A representante da Casa de Rui, Lucia Velloso, comemora a iniciativa: “Nós estamos muito satisfeitos em poder realizar um grande sonho da Casa, pois teremos a oportunidade de armazenar os documentos do nosso acervo de forma precisa, com cuidado constante e controle ambiental”.

Para Velloso, a valorização da memória nacional é fundamental para a garantia da cidadania. “Nosso objetivo é ativar o gatilho da memória do cidadão para que ele se aproxime da sua história e crie sentimento de pertencimento e, assim, estimular a nossa cultura”, completa.

Inaugurada em 1930, a Fundação Casa de Rui Barbosa tem como missão o desenvolvimento da cultura, da pesquisa e do ensino, além da divulgação da vida e obra de Rui Barbosa. Dessa forma, a instituição contribui para a disseminação da diversidade cultural e para o fortalecimento da cidadania, assegurando a implementação de políticas culturais do Ministério da Cidadania.

Sobre o Centro Rui Barbosa

O projeto do Centro Rui Barbosa de Preservação de Bens Culturais prevê a construção de um edifício de cinco pavimentos, com cerca de dois mil metros quadrados, para abrigar os acervos da Biblioteca São Clemente, do Arquivo-Museu de Literatura Brasileira (AMLB) e do Arquivo Histórico e Institucional, além do Laboratório de Conservação e Restauração de Documentos Gráficos (Lacre) e do Núcleo de Preservação Arquitetônica.

O espaço vai reunir documentos, filmes, objetos, mobiliários, mapas e conteúdos digitais relacionados a escritores brasileiros, entre eles Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade, Pedro Nava, Vinicius de Moraes, Clarice Lispector e Fernando Sabino. Os notáveis ficarão ao lado do Arquivo Rui Barbosa, um dos sete arquivos nominados como Registro Nacional do Brasil do Programa Memória do Mundo da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

O Programa Memória do Mundo (MOW – Memory of the World Program) reconhece patrimônios documentais de significância internacional, regional e nacional; mantém o seu registro e lhes confere um certificado, que os identifica. O programa facilita também a preservação e o acesso a este patrimônio, além de trabalhar para despertar a consciência coletiva do patrimônio documental da Humanidade.

Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial da Cultura
Ministério da Cidadania