Programação cultural

Cinema grego e carnaval antecipado são atrações da semana

Cinemateca Brasileira exibe obras clássicas do cinema grego até 17 de novembro e Funarte traz novidades em várias unidades

publicado: 08/11/2019 19h50,
última modificação: 08/11/2019 19h51

Filmes clássicos da Grécia estão no cardápio da Cinemateca Brasileira, em São Paulo (SP). A IV Mostra de Cinema Grego, além da programação de filmes, oferece um dia de atividades culturais promovidas pela Coletividade Helênica de São Paulo, no dia 17 de novembro. Já a Fundação Nacional de Artes (Funarte) apresenta seis novos eventos. Um dos destaques é a folia de carnaval antecipado, na unidade de Belo Horizonte (MG), parte do projeto Funarte Aberta. Confira a programação completa:


CINEMATECA BRASILEIRA

IV Mostra de Cinema Grego
8 a 17/11
Endereço: Cinemateca Brasileira – largo Sem. Raul Cardoso, 207 – São Paulo (SP)

A Cinemateca Brasileira e a Roquette Pinto Comunicação Educativa apresentam a IV Mostra de cinema grego, iniciativa da Coletividade Helênica de São Paulo com correalização do Consulado Geral da Grécia em São Paulo, Greek film archive, Greek Film Centre, Sesc e Cinemateca Brasileira. A seleção apresenta filmes de diferentes tradições e períodos na história do cinema grego. A Mostra de Cinema Grego de São Paulo estabelece uma ligação entre a Grécia e o Brasil, aproximando dois países com passados ​​e realidades contemporâneas radicalmente diversas, através do ato de assistir, discutir e celebrar o cinema. Além da programação de filmes, um dia de atividades culturais promovidas pela Coletividade Helênica de São Paulo encerra a quarta mostra, no dia 17 de novembro. O Dia da Cultura Grega reunirá artes, comidas e danças típicas, seguidas da exibição do clássico Carta aberta, de Giorgos Stampoulopoulos, ao ar livre. Toda a programação tem entrada gratuita. Os ingressos serão distribuídos na bilheteria uma hora antes de cada sessão, sujeito à lotação da sala.
Mais informações


FUNDAÇÃO NACIONAL DE ARTES (FUNARTE)

Sarau ‘Âmaga – a língua da alma’
9/11, às 18h
Endereço: Funarte SP – Alameda Northmann, 1058 – São Paulo (SP)
A Funarte SP recebe a exposição Muirapiranga, da artista paranaense Elizabeth Titton. A mostra, que permanece em cartaz até 19 de janeiro de 2020 nas galerias Flávio de Carvalho e Mario Schenberg e no Pátio do Complexo Cultural Funarte SP, apresenta ao público esculturas de grandes dimensões, em aço corten oxidado. Desde os anos 2000, o trabalho de Elizabeth Titton tem estreitado relações com a indústria, sobretudo a de metalurgia. Ao mesmo tempo, a artista jamais abandonou a observação e as referências a elementos da natureza e de culturas tradicionais, como as pinturas corporais dos indígenas do Xingu. A exposição que agora chega aos espaços de artes visuais da Funarte SP harmoniza esses âmbitos a princípio distantes ou excludentes entre si. Muirapiranga é uma árvore amazônica de madeira avermelhada, semelhante à do pau-brasil. O nome da exposição relaciona essa cor à ferrugem que a artista propositalmente fez cobrir o metal das esculturas.
Mais informações

Espetáculo ‘Sementes’
9 e 10/11, às 16h
Endereço: Teatro Plínio Marcos – Setor de Divulgação Cultural (SDC), lote 2 – Brasília (DF)
A montagem trabalha com a metáfora poética da semente, das frutas e flores e fala sobre as possíveis sementes da vida, das organizações, dos desejos, dos sonhos, da arte. A personagem é uma plantadeira, que mostra que todos nós podemos ser terreno fértil para germinar desejos incríveis, podemos ser cuidadores de projetos, pessoas, encontros, sementes. A relação com a natureza é fisiológica e constante no espetáculo. As sementes, as frutas, as flores compõem o mosaico natural e o ambiente lírico das cenas. O resultado desse mergulho nas memorias das histórias da infância foi essencial para a montagem do espetáculo, destinado a crianças a partir de quatro anos de idade.
Mais informações

1º Encontro Candango de Danças
15 a 17/11
Endereço: Teatro Plínio Marcos – Setor de Divulgação Cultural (SDC), lote 2 – Brasília (DF)
1º Encontro Candango de Danças leva ao palco do Teatro Plínio Marcos, no Complexo Cultural da Funarte em Brasília (DF), diversas atrações nacionais e internacionais. São três dias de Mostra de Dança com a participação de bailarinos e grupos de danças de vários estados do Brasil e também do exterior. Entre os convidados estão as bailarinas Andrea Gaia, Jade El Jabel e Mariana Quadros, além da banda argentina Ilahun Ballet Orquesta. Durante o 1º Encontro Candango de Danças, serão realizados também workshops com grandes nomes da dança, quando os participantes poderão se aprimorar em Dança do Ventre, Danças Folclóricas e Tribal Fusion.
Mais informações

Espetáculo ‘Maternar’
Até 17/11
Endereço: Funarte MG – Rua Januária, 68 – Belo Horizonte (MG)
A peça é um trabalho coletivo da companhia de teatro Cia. Quatro Quartos com a atriz Amanda Coimbra, a protagonista da trama. A ideia da criação da montagem surgiu a partir de uma experiência pessoal da artista. ‘Maternar’ aborda questões sobre a maternidade, a fertilidade e o papel da mulher na sociedade. O espetáculo discorre sobre o universo da maternidade e seus desdobramentos, apresentando relatos, vídeos e fotos pessoais de Amanda. A protagonista ficou grávida (inesperadamente) no começo de 2018 e se viu diante dos desafios dessa nova condição ao se tornar mãe da pequena Elis. A gravidez, o parto, o período pós-parto, as cartas simbólicas da atriz, os vídeos, as entrevistas e as canções são apresentados na montagem. A peça fala sobre a ancestralidade, a conexão com o poder feminino, a invisibilidade da mulher-mãe, a visão social sobre essa mulher, a opressão, os julgamentos, o patriarcado, o machismo, a maternidade real e, consequentemente, as dores e as alegrias inerentes a todas as mães. O espetáculo busca, por meio da fala dessa mãe, impactar o público de uma maneira sensível, sincera e com uma visão crítica da realidade.
Mais informações

Espetáculo ‘O Homem do Caminho’
Até 17/11
Endereço: Funarte MG – Rua Januária, 68 – Belo Horizonte (MG)
O monólogo O Homem do Caminho conta a história do cigano Iur, que tem três nomes, sendo que um deles é desconhecido pelo próprio Iur. Segundo o texto, de autoria de Plínio Marcos, essa condição da personagem é uma forma de despistar a morte. Pois quando chegar a sua vez, ele não vai escutar o chamado. Iur é um contador de histórias, que diverte os que estão à sua volta e, ao mesmo tempo, provoca uma reflexão sobre o comportamento humano.
Mais informações

Espetáculo ‘O Natimorto’
Até 24/11, às 20h
Endereço: Funarte SP – Alameda Northmann, 1058 – São Paulo (SP)
A Cia do Piolho apresenta o espetáculo “O Natimorto” na Sala Carlos Miranda do Complexo Cultural Funarte SP. Com medo de desaparecer e cansado de viver à mercê de um casamento autodestrutivo, Agente se tranca em um quarto de hotel com uma recém-conhecida, a Voz da Pureza, dando início a um relacionamento marcado por “carinho e incerteza”, “sedução e dependência”. Guiados pela Voz da Ternura, os personagens interpretam as imagens dos maços de cigarro como se fossem cartas de tarô que pudessem prever o futuro. Baseado no romance homônimo de Lourenço Mutarelli, “O Natimorto” combina elementos de loucura e sanidade, abordando fobias, vícios, orgulhos e instintos humanos.
Mais informações

Espetáculo ‘A Filha da Mãe’
Até 1/12
Endereço: Teatro Eugênio Kusnet – Rua Dr. Teodoro Baima, 94 – São Paulo (SP)
Realizado inteiramente por mulheres, o espetáculo aborda a condição materna na sociedade atual, procurando desvinculá-la do idealismo e do romantismo que cercam o assunto. O texto também se aproxima de temas como o patriarcado, o aborto, o feminismo e a morte. A trama acompanha as aflições, os questionamentos e as dificuldades de uma mãe em três momentos de sua vida: o parto e os primeiros dias de maternidade, a morte de sua mãe e o aniversário de 30 anos de sua filha. Cada uma dessas etapas é encenada com linguagens diferentes: a primeira tem caráter lírico e oral, a segunda tem tom dramático e a terceira apresenta cartas que a mãe escreve para a filha.
Mais informações

EspetáculoTodo Anjo é Terrível’
De 12/11 até 4/12
Endereço: Teatro Dulcina – Rua Alcindo Guanabara, 17 – Rio de Janeiro (RJ)
O Teatro Dulcina, espaço da Fundação Nacional de Artes – Funarte no Centro do Rio de Janeiro, apresenta, a partir do dia 12 de novembro, o espetáculo Todo Anjo é Terrível. Com música e dança, a montagem do monólogo se baseia na poesia de Rilke e no romantismo alemão. O texto é de Ingred Rocha, também atriz do espetáculo, e de Leon Góes, que também assina a direção. A peça é baseada em fatos reais, trazendo à tona alguns velhos tabus “da vida como ela é”. Seu título remete a Elegías de Duíno, do poeta Rainer Maria Rilke. Faz várias citações de sua poesia e ao movimento artístico do qual fez parte, o romantismo alemão. A personagem vive em conflito. Numa escola católica, sente-se atraída por um padre, que lá leciona. O tema, tratado com humor, mostra a complexidade das relações humanas, nas esferas escolar e familiar. A proposta do espetáculo é proporcionar uma diversão vigorosa, com interpretação, música, dança e poesia; além de levar o público à reflexão.
Mais informações

Foto: Dani Meira

Carnaval na Funarte
Até 14/12
Endereço: Funarte MG – Rua Januária, 68 – Belo Horizonte (MG)
Até 14 de dezembro, a Funarte MG, no Centro de Belo Horizonte, vai cair na folia com seis apresentações de blocos de rua. Os encontros serão aos sábados, no período da tarde, das 14h às 18h. A programação vai ser aberta pelo bloco Samba Queixinho, no próximo dia 9 de novembro. Na sequência de apresentações, os grupos: Ziriggydum Stardust, Sopra que Sara, Estagiários Brass Band, Corte Devassa e Magnólia, um por sábado. A atividade faz parte do projeto Funarte Aberta e vai ocupar a área externa da instituição mineira. Os ingressos saem a R$ 5. Segundo a coordenação do espaço, com o crescimento do carnaval de rua, em Belo Horizonte, tem sido frequente a solicitação de uso dos espaços da Funarte MG por parte de músicos, instrumentistas e integrantes dos blocos de rua para apresentações e ensaios. “A intenção é oferecer, aos sábados, uma programação festiva de música, aberta à população. Espera-se um público de faixa etária e segmento social diversificados. Além disso, o projeto Funarte Aberta pretende promover a aproximação da instituição desta importante manifestação artístico-cultural de Belo Horizonte”, ressalta.
Mais informações

Exposição ‘Muirapiranga’
Até 19/01/2020
Endereço: Funarte SP – Alameda Northmann, 1058 – São Paulo (SP)
A Funarte SP recebe a exposição Muirapiranga, da artista paranaense Elizabeth Titton. A mostra, que permanece em cartaz até 19 de janeiro de 2020, nas galerias Flávio de Carvalho e Mario Schenberg e no Pátio do Complexo Cultural Funarte SP, apresenta ao público esculturas de grandes dimensões, em aço corten oxidado. Desde os anos 2000, o trabalho de Elizabeth Titton tem estreitado relações com a indústria, sobretudo a de metalurgia. Ao mesmo tempo, a artista jamais abandonou a observação e as referências a elementos da natureza e de culturas tradicionais, como as pinturas corporais dos indígenas do Xingu. A exposição que agora chega aos espaços de artes visuais da Funarte SP harmoniza esses âmbitos a princípio distantes ou excludentes entre si. Muirapiranga é uma árvore amazônica de madeira avermelhada, semelhante à do pau-brasil. O nome da exposição relaciona essa cor à ferrugem que a artista propositalmente fez cobrir o metal das esculturas.
Mais informações


CASA DE RUI BARBOSA

Mostra ‘Um Jardim de Tradições’
Mostra permanente
Endereço: Fundação Casa de Rui Barbosa – Rua São Clemente 134 – Rio de Janeiro (RJ)
Com uma seleção de fotos do Arquivo Casa de Rui Barbosa, combinada com imagens dos atuais pequenos frequentadores, a exposição tem como propósito registrar o espírito lúdico e receptivo do Jardim Histórico. A museóloga do museu-casa Aparecida Rangel ressalta que o objetivo é “reafirmar o Jardim como forma de lazer e acolhimento, desde o século XIX, tempo de seu patrono Rui Barbosa, até os dias de hoje”. Por isso, a iniciativa é tida pelos organizadores como uma forma de reverência ao espaço cultural. A mostra temática ocorre no quiosque do Jardim Casa de Rui Barbosa e está aberta ao público de terça à sexta-feira, das 8h às 18h, e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 18h. A entrada é franca.
Mais informações


BIBLIOTECA NACIONAL

Exposição “Alma do Mundo – Leonardo 500 Anos”
Até 28/2/2020
Endereço: Espaço Cultural Eliseu Visconti – Rua México s/n – Rio de Janeiro (RJ)
A exposição “A Alma do Mundo – Leonardo 500 anos” entrou em cartaz no dia 24 de outubro, com curadoria de Marco Lucchesi, presidente da Academia Brasileira de Letras, estudioso da obra do matemático, cientista, inventor, pintor, escultor e arquiteto italiano, uma das figuras mais importantes do Renascimento. Dentre as 70 obras do acervo da Biblioteca Nacional, entre gravuras, desenhos e livros, todas trazidas por D. João VI em 1808 com a Biblioteca Real, recuperadas pelo laboratório de conservação e restauração da instituição, a peça forte é “Divina Proportione”, de Luca Pacioli, com 60 ilustrações feitas por Leonardo dos sólidos platônicos: poliedros que têm o mesmo número de faces se encontrando em cada vértice: pirâmides, cubos, octaedros, dodecaedros e icosaedros. É um livro raro e curioso, marco da geometria renascentista. Pacioli foi professor de matemática, em torno de 1496, na corte do duque de Milão, Ludovico Sforza, onde conheceu Da Vinci, pintor e engenheiro da mesma corte. A obra contém um resumo sobre as propriedades da “proporção áurea”, com base nos teoremas de Euclides – as formas são mostradas tanto em esqueleto quanto em aspecto sólido. Trata-se da obra que mais exerceu influência no mundo da arte.
Mais informações


INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL (IPHAN)

Exposição ‘7 Povos: Retratos de Um Território’
Até 24/1/2020
Endereço: Memorial do Rio Grande do Sul – Rua 7 de Setembro, 1020 – Porto Alegre (RS)
Uma experiência interativa que faz o visitante viajar pela história e caminhos dos Sete Povos das Missões. Essa é a proposta da exposição “7 Povos: Retratos de Um Território”, que traz fotos, vídeos documentários, painéis, mapas interativos, documentos antigos, conteúdo de arte-educação e muito mais. São obras que despertam os sentidos e provocam uma verdadeira viagem pelo território das Missões Jesuíticas-Guarani e sua paisagem cultural, com bens culturais reconhecidos como Patrimônio Cultural Brasileiro, do Mercosul e Mundial. Porto Alegre foi a primeira cidade a receber a exposição, que em 2020 irá itinerar para o Rio de Janeiro e Montevidéu, no Uruguai. O local escolhido para receber a mostra foi o Memorial do Rio Grande do Sul, reconhecido pela arquitetura imponente no centro da capital gaúcha. São Miguel das Missões (RS) também receberá a mostra ainda em 2019, com a previsão de abertura em novembro. A iniciativa brasileira idealizada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) faz parte de um projeto de cooperação internacional, em parceria com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e a Agência Brasileira de Cooperação (ABC), vinculada ao Ministério das Relações Exteriores. Com a curadoria de Cláudia Ardións e projeto expográfico de Suzane Queiroz, 7 Povos desbrava o território das Missões, sua geografia, história, vida sociopolítica e cultural. Conta a narrativa da ocupação da região, desde mapas antigos até o momento atual – como se formou e no que se tornou o território das Missões, no Rio Grande do Sul. A exposição 7 Povos aproxima moradores e visitantes dos bens que constituem o Patrimônio Cultural missioneiro. As fotos tomam vida em realidade aumentada em tablets e celulares, em que o observador ultrapassa o plano da fotografia e é levado para a cena em movimento, com sons e texturas. O público pode transitar pelos caminhos dos Sete Povos das Missões Jesuíticas-Guarani, em mesas digitais interativas que exploram, em detalhes, a cartografia do território. A mostra conta, ainda, com um espaço educativo para crianças, com jogos e atividades formulados especialmente para o público infantil, com liga-pontos digital das línguas faladas na região das Missões, jogos da memória e quebra-cabeças sobre esta rica paisagem cultural.
Mais informações


INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS (IBRAM)

Exposição ‘Culturas Africanas – arte, mitos e tradições’
Até 9/11
Endereço: Museu da Abolição – Rua Benfica, 1150 – Recife (PE)
Em forma de releitura de máscaras, escudos, objetos rituais de uso lúdico e utilitário da África, a exposição apresenta, também, algumas peças originais de vestuário da nobreza tradicional africana. A mostra é resultado dos trabalhos realizados por 16 pesquisadores sobre modelagem em argila. O projeto tem a direção da professora Suely Cisneiros Muniz, da UFPE, e orientação e curadoria do professor Paulo Lemos de Carvalho, pesquisador em antropologia da arte tradicional africana.
Mais informações

Exposição ‘Entre o acervo e o estúdio’
Até 1/12
Endereço: Museu Nacional de Belas Artes – Avenida Rio Branco, 199 – Cinelândia, Rio de Janeiro (RJ)
O Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram) inaugurou a mostra da artista gaúcha Marilice Corono, ‘Entre o acervo e o estúdio’. De acordo com a artista, a seleção das 32 obras que integram a exposição foi determinada pelo estudo dos gêneros, pelo caráter autorreferencial da maior parte das imagens, pela qualidade que apresentam e por aspectos afetivos e pessoais. Na exposição, algumas pinturas tornaram-se significativas, como a publicação ‘Iniciação a Pintura’ (1976), de um dos pioneiros da restauração no país, Edson Motta, professor de teoria, técnica e conservação da pintura na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) entre os anos de 1945 e 1980 e autor de livros essenciais para a formação da artista. Com carreira iniciada na década de 1990, Corono já integrou mostras coletivas em vários estados do Brasil. Desde 2005, a artista realiza projetos de exposição que têm como tema o próprio espaço onde as obras são apresentadas. Além de artista visual, ela é professora de pintura do Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).
Mais informações

Mostra ‘Clécio Penedo: És Tupi do Brasil’
Até 15/12
Endereço: Museu Nacional de Belas Artes – Av. Rio Branco, 199 – Rio de Janeiro (RJ)
A arte do pintor, gravador e desenhista Clécio Penedo (1934-2004) volta a ser exposta no Museu Nacional de Belas Artes (MNBA)/Ibram durante a mostra “Clécio Penedo: És Tupi do Brasil”. A exposição pode ser visitada até 15 de dezembro. O mineiro Clécio Penedo frequentou de 1954 a 1956 a Escola Nacional de Belas Artes/ENBA, que funcionava no mesmo prédio do MNBA.  A partir da década de 70, desenvolveu diversos trabalhos no Centro de Pesquisa de Arte, sob a orientação de Ivan Serpa e de Bruno Tausz, tendo sido aluno dos cursos de gravura em metal e desenho com Eduardo Sued e Aluízio Carvão, no MAM/RJ. Entre seus trabalhos de destaque, está o painel “Brasil Colonização e Independência” (1987), que se encontra no acervo do Museu Histórico Nacional/Ibram.
Mais informações

Exposição ‘Vilnius e eu’
Até 3/2/2020
Endereço: Museu Lagar Segall/Ibram – Rua Berta, 111 – São Paulo (SP)
No ano em que se comemoram os 130 anos de nascimento do pintor, escultor, gravurista e desenhista lituano naturalizado brasileiro Lasar Segall (1889-1957), o Museu Lasar Segall/Ibram, em São Paulo (SP), inaugura exposição que vai abordar a relação entre o artista e sua terra natal: a cidade de Vilnius (Lituânia). A mostra “Vilnius e eu”, que será aberta neste sábado (26), poderá ser visitada  até 3 de fevereiro de 2020. A exposição apresentará 28 obras de Segall que retratam a cidade ou expressam memórias do artista sobre ela, além de 21 fotografias cedidas pelo Vilna Gaon State Jewish Museum (Museu Judaico de Vilnius), que se somam a uma seleção de fotografias e documentos pertencentes ao acervo do próprio Museu Lasar Segall.
Mais informações

Exposição ‘Contextos Afro Digitais’
23/3/2020
Endereço: Museu do Açude – Estrada do Açude, 764 – Rio de Janeiro (RJ)
A mostra exibe cerca de 20 instalações inéditas, em chapas de aço expostas ao ar livre, nos jardins do museu. São girafas com 3,5m de altura, elefantes e polvos gigantes, além de outros bichos. A mostra também tem o objetivo de estimular o lúdico nas crianças, que poderão fazer sua própria obra de arte, reproduzindo um megabicho em papelão. Marcos Scorzelli é carioca, formado em Design pela PUC Rio e começou a carreira inovando em projetos de arquitetura como designer de interiores corporativo e de cenografia. Com seu pai, criou a Scorzelli Arquitetura e Design em 1993 e, ao longo de 23 anos, recebeu vários prêmios por projetos corporativos desenvolvidos para grandes empresas. Fotógrafo amador, é apaixonado pelo Rio. Desenvolveu sua linguagem vivenciando a natureza e explorando todos os cantos da capital fluminense.
Mais informações

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cidadania

Informações para a imprensa:
(61) 2024-2266 / 2412