Agenda Cultural

Cinemateca Brasileira apresenta três novidades na programação

Funarte também lança dois espetáculos na unidade da capital paulista

publicado: 07/02/2020 18h32,
última modificação: 07/02/2020 18h32

A semana reserva três novidades imperdíveis da Cinemateca Brasileira, em São Paulo (SP). O espaço celebra uma das principais autoras da literatura brasileira moderna com a mostra Carta Branca a Lygia Fagundes Telles. Dias 15 e 23 de fevereiro estão programadas sessões em céu aberto: a primeira com o filme Acossado, de Jean-Luc Godard, e a última com exibição de O Leopardo, de Luchino Visconti. E também tem novos espetáculos na Funarte, confira a programação completa abaixo:


CINEMATECA BRASILEIRA

Mostra ‘Carta Branca a Lygia Fagundes Telles’
De 13 a 23/2
Endereço: Cinemateca Brasileira – Largo Senador Raul Cardoso, 207 – São Paulo (SP)
Para abertura da Programação de 2020, a Cinemateca celebra uma das principais autoras da literatura brasileira moderna, Lygia Fagundes Telles, que completará 97 anos neste ano. Durante toda sua trajetória, sempre se posiciona a favor da Instituição, foi membro de seu Conselho, tendo assumido sua presidência em 1977. A Mostra reúne 14 títulos selecionados pela escritora, que a marcaram em diferentes momentos de sua trajetória. Dentre as obras, grandes clássicos nacionais e internacionais. Do cinema americano, Casablanca, de Michael Curtiz, …E o vento levou, de Victor Fleming, Cidadão Kane, de Orson Welles e Cantando na chuva, de Stanley Donen e Gene Kelly; do Cinema Novo e do Cinema Marginal, Deus e o diabo na terra do sol e O bandido da luz vermelha; da Nova Hollywood, dois longas de Francis Ford Coppola, Apocalypse now O poderoso chefão; e da Nouvelle Vague francesa, Jules e Jim – Uma mulher para dois, de François Truffaut.
Destaque também para a exibição do único longa-metragem do mestre Jean Vigo, O Atalante; e de duas obras-primas do italiano Luchino Visconti, O leopardo e Morte em Veneza, ambos em cópias 35mm, assim como daquele que é considerado o melhor filme de Humberto Mauro, Ganga bruta, em cópia em película do acervo da instituição. Convidamos todos para a sessão especial de Acossado, de Jean-Luc Godard – que será exibido em 35mm na tela externa no sábado dia 15/02. A programação se encerra com outra exibição na tela externa, com O leopardo, em 35mm, no domingo 23/02. Toda a programação tem entrada gratuita. Os ingressos serão distribuídos na bilheteria uma hora antes de cada sessão, sujeito à lotação da sala.
Mais informações

Sessão ao Ar Livre: ‘Acossado’
15/2, às 21h
Endereço: Cinemateca Brasileira – Largo Senador Raul Cardoso, 207 – São Paulo (SP)
A Cinemateca Brasileira apresenta, como parte da Mostra Carta branca a Lygia Fagundes Telles, a sessão especial e ao ar livre de Acossado, de Jean-Luc Godard, que será exibido em 35mm na tela externa. Primeiro longa-metragem de Jean-Luc Godard, com roteiro de François Truffaut, considerado um dos filmes mais famosos da Nouvelle Vague.
Mais informações

Sessão ao Ar Livre: ‘O Leopardo’
23/2, às 21h
Endereço: Cinemateca Brasileira – Largo Senador Raul Cardoso, 207 – São Paulo (SP)
A Cinemateca Brasileira apresenta, como parte da Mostra Carta branca a Lygia Fagundes Telles, a sessão especial e ao ar livre de O Leopardo, de Luchino Visconti, que será exibido em 35mm na tela externa. A partir do romance de Tomasi Di Lampedusa, o filme apresenta, a ascensão da burguesia e a decadência da nobreza sob o Risorgimento italiano, em 1860. O filme recebeu o prêmio Palma de Ouro no Festival de Cannes de 1963.
Mais informações


FUNDAÇÃO NACIONAL DE ARTES (FUNARTE)

Projeto ‘Algures na Eternidade’
8/2
Endereço: Funarte SP – Alameda Nothmann, 1058 – São Paulo (SP)
O projeto Algures na Eternidade inclui, além da apresentação, um workshop sobre as técnicas utilizadas e a abordagem dos elementos fundamentais da natureza: terra, fogo, água e vento. O quinto elemento, o espaço – ou éter –, também é representado (no centro do espetáculo) como o eclipse absoluto, a ausência de luz. A performance, combinando dança e vídeo, procura reconectar por meio da beleza poética o corpo humano à simplicidade da natureza, bem como à sabedoria e à elevação espiritual. Para isso, são utilizadas técnicas diversas: clássicas, modernas, folclóricas. Junto com elementos da Dança Duende, práticas de contemplação, exercícios de respiração e de movimento (Choréosofia). O ambiente onírico é criado com uma cenografia em vídeo, mixado e projetado ao vivo.
Mais informações

Festival ‘Verão Arte Contemporânea’
Até 11/2
Endereço: Funarte MG – Rua Januária, 68 – Belo Horizonte (MG)
A edição 2020 do festival Verão Arte Contemporânea leva ao público de Belo Horizonte (MG) uma série de atrações artísticas. Arquitetura, literatura, gastronomia, teatro, dança, música, artes visuais, cinema e reflexão política estão na programação que se estende até o dia 11 de fevereiro. A Funarte MG é um dos 16 espaços que recebem atividades culturais. De 30 de janeiro a 2 de fevereiro, quinta a domingo, às 19h, o Grupo dos Dez apresenta o espetáculo Dandara Para Todas as Mulheres, que surge de uma reflexão sobre o ser mulher negra. Se em Madame Satã o grupo parte de uma figura lendária do Rio para falar sobre homofobia e racismo, nesse novo espetáculo, evoca a figura quase mítica de Dandara para trazer à discussão o machismo, o racismo e a resistência da mulher negra contemporânea. Entrada gratuita e classificação livre. O Grupo Quatroloscinco Teatro do Comum se apresenta de 6 a 9 de fevereiro, quinta a domingo, às 19h, com Tragédia. O espetáculo mostra que há jogos que se popularizam pelo mundo, ultrapassam os limites dos palácios, escorrem como sangue, inundam as ruas e entram pela fresta da porta de nossas casas. Jogos com regras rígidas e penalidade severas. Jogos que atravessam milênios e pelos quais se mata e se morre. Todo jogo é um campo de batalha. Ingressos a R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia-entrada).
Mais informações

Espetáculo ‘Olhos Moles’
De 14/2 a 15/3
Endereço: Funarte SP – Alameda Nothmann, 1058 – São Paulo (SP)
Olhos Moles
 apresenta momentos da vida de Patrícia Galvão, jornalista, escritora, militante política e cultural que viveu entre 1910 e 1952. Em sua juventude, Pagu, como ficou conhecida, participou do movimento antropofágico. Mais tarde, dedicou-se ao desenho e à literatura, tendo publicado os romances Parque Industrial (1933), sob o pseudônimo de Mara Lobo, e A Famosa Revista (1945), em colaboração com Geraldo Ferraz. A peça retrata Pagu como “mãe, mulher e guerreira”, mostrando seus ideais, sua juventude, suas passagens pela prisão, suas viagens pelo mundo, sua paixão pelo teatro e sua relação com o escritor Oswald de Andrade.
Mais informações

Espetáculo ‘O Conto do Reino Distante’. Foto: Divulgação

Espetáculo ‘O Conto do Reino Distante’
De 15/2 a 29/3
Endereço: Teatro de Arena Eugênio Kusnet – Rua Dr. Teodoro Baima, 94 – São Paulo (SP)
O espetáculo aborda o rito de passagem da infância para o mundo adulto. Na história, o povo do Reino Distante aguarda o nascimento de um príncipe herdeiro. Mas nasce uma menina. Desesperada e humilhada, a rainha enlouquece e tenta matar a criança, que é salva por sua avó. O ódio da rainha a transforma em uma bruxa má. Ela, então, rouba a espada encantada, que deveria ser dada ao herdeiro, e foge para a Floresta do Sol, transformada em um pântano frio e escuro. Para que permaneça em um local seguro, a princesa é trancada na torre, mas a avó a prepara para o dia em que terá que sair, enfrentar a bruxa e recuperar a espada do reino. Terceiro espetáculo da Cia Faz e Conta, o texto foi montado pela primeira vez em 2008. Em 2017, um novo ponto de vista é proposto para a narrativa: quem conta a história é a criada do castelo, que usa seus objetos do dia a dia (agulhas, lãs e roca de fiar).
Mais informações

Campanha de Popularização do Teatro e da Dança
Até 16/2
Endereço: Funarte MG – Rua Januária, 68 – Belo Horizonte (MG)
Espetáculos de diversos gêneros cênicos, além de uma mostra, são apresentados de quarta-feira a domingo, de 15h às 21h, até o dia o dia 16 de fevereiro. O público tem prestigiado a programação marcada pelos ingressos a preços populares, enchendo as salas da representação regional da Funarte. Na 46ª edição da Campanha, que alcança ainda muitos outros espaços da capital, além de várias outras cidades mineiras, os palcos da Funarte MG recebem espetáculos como Protótipo para Cavalo: Corra Aisha Corra!, Luta, Marternar e A Jagunça, entre outras. Além disso, a exposição Ronaldo Boschi – Histórias e Afetos está aberta ao público. Já foram apresentadas montagens como Quem é Você?, Somos todas Simone de Beauvoir, e Uma Tendência para a Alegria.
Mais informações

Exposição ‘Ibitipoca – Minas que transformam’
Até 1/3
Endereço: Funarte SP – Alameda Nothmann, 1058 – São Paulo (SP)
No dia 1º de fevereiro, sábado, a partir de 14h, acontece na Galeria Flávio de Carvalho, do Complexo Cultural Funarte SP, a abertura da exposição Ibitipoca – Minas que transformam, do fotógrafo Araquém Alcântara. A mostra é composta de 36 imagens, coloridas e em preto e branco. Segundo o curador, Sergio Bara, as imagens de Ibitipoca oferecem aos espectadores, de forma poética, a possibilidade de conhecer “experiências de momentos únicos, como a colheita de arroz e as asas abertas de um suiriri-de-garganta branca”. Bara dividiu as imagens em três segmentos: Pessoas, Fauna e Flora. Além dos elementos da natureza, portanto, as fotos também registram o cotidiano humano do povoado mineiro que dá nome à exposição. Com isso, não se restringem às já costumeiramente retratadas belezas do Parque Estadual de Ibitipoca. Araquém Alcântara é um dos pioneiros da fotografia de natureza no Brasil. Desde 1970, dedica-se a fotografar paisagens e animais brasileiros. Foi o primeiro profissional a documentar todos os parques nacionais do país e a fotografar sistematicamente as suas unidades de conservação. Com 54 livros publicados e 32 prêmios nacionais, entre eles um Jabuti pelo livro Amazônia (2006), é hoje um dos fotógrafos mais reconhecidos do Brasil.
Mais informações


CASA DE RUI BARBOSA

Mostra ‘Um Jardim de Tradições’
Mostra permanente
Endereço: Fundação Casa de Rui Barbosa – Rua São Clemente 134 – Rio de Janeiro (RJ)
Com uma seleção de fotos do Arquivo Casa de Rui Barbosa, combinada com imagens dos atuais pequenos frequentadores, a exposição tem como propósito registrar o espírito lúdico e receptivo do Jardim Histórico. A museóloga do museu-casa, Aparecida Rangel, ressalta que o objetivo é “reafirmar o Jardim como forma de lazer e acolhimento, desde o século XIX, tempo de seu patrono Rui Barbosa, até os dias de hoje”. Por isso, a iniciativa é tida pelos organizadores como uma forma de reverência ao espaço cultural. A mostra temática ocorre no quiosque do Jardim Casa de Rui Barbosa e está aberta ao público de terça a sexta-feira, das 8h às 18h, e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 18h. A entrada é franca.
Mais informações


BIBLIOTECA NACIONAL

Exposição “Alma do Mundo – Leonardo 500 Anos”
Até 28/02
Endereço: Espaço Cultural Eliseu Visconti – Rua México s/n – Rio de Janeiro (RJ)
A exposição “A Alma do Mundo – Leonardo 500 anos” entrou em cartaz no dia 24 de outubro, com curadoria de Marco Lucchesi, presidente da Academia Brasileira de Letras, estudioso da obra do matemático, cientista, inventor, pintor, escultor e arquiteto italiano, uma das figuras mais importantes do Renascimento. Dentre as 70 obras do acervo da Biblioteca Nacional, entre gravuras, desenhos e livros, todas trazidas por D. João VI, em 1808, com a Biblioteca Real, recuperadas pelo laboratório de conservação e restauração da instituição, a peça forte é “Divina Proportione”, de Luca Pacioli, com 60 ilustrações feitas por Leonardo dos sólidos platônicos: poliedros que têm o mesmo número de faces se encontrando em cada vértice: pirâmides, cubos, octaedros, dodecaedros e icosaedros. É um livro raro e curioso, marco da geometria renascentista. Pacioli foi professor de matemática, em torno de 1496, na corte do duque de Milão, Ludovico Sforza, onde conheceu Da Vinci, pintor e engenheiro da mesma corte. A obra contém um resumo sobre as propriedades da “proporção áurea”, com base nos teoremas de Euclides – as formas são mostradas tanto em esqueleto quanto em aspecto sólido. Trata-se da obra que mais exerceu influência no mundo da arte.
Mais informações


INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL (IPHAN)

Exposição ‘Caminhos das Ferrovias’
Até 21/02
Endereço: Casa Domingos Nascimento Sobrinho – Rua José de Alencar, 1808 – Curitiba (PR)
A Casa Domingos Nascimento Sobrinho (sede do Iphan no Paraná) receberá a abertura da exposição Caminho das Ferrovias – Natureza e Cultura. A mostra apresenta trabalhos de estudantes do Ensino Médio da Escola Estadual Professora Luiza Ross (aproximadamente 300 discentes), localizada no bairro Boqueirão, em Curitiba (PR), produzidos no âmbito de um projeto de educação patrimonial e ambiental a respeito do transporte ferroviário no estado do Paraná. O projeto envolveu uma série de ações educativas interdisciplinares e transversais que visaram a elaboração de produções imagéticas baseadas no estudo iconográfico e na valorização do olhar sensível destes estudantes, imersos na história de sua própria comunidade e na relação entre a natureza, a cultura e os caminhos das ferrovias. A iniciativa faz parte de uma pesquisa científica conduzida por uma das professoras da referida escola, em parceria com o Grupo de Pesquisa em Educação Ambiental e Cultura da Sustentabilidade (UFPR) e com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).
Mais informações

Exposição ‘A Simplicidade das Coisas’
Até 1/3
Endereço: Galeria do Sobrado do Ramalho – Rua da Câmara, 124 – Tiradentes (MG)
Com o apoio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a cidade de Tiradentes recebe, dia 7 de fevereiro, a exposição A Simplicidade das Coisas. A mostra apresenta 20 obras do artista plástico paulista Antonio Thyrso, marcando o início de uma nova fase de sua produção, agora em terra mineira. O artista natural de Sarutaiá, São Paulo, participou da fundação da Associação dos Artistas Plásticos em Jundiaí e dedicou-se não só à arte do feitio, mas também à do ensino, entre outros projetos relacionados a museus e patrimônio cultural. Hoje residente em Brumadinho (MG), suas obras mesclam os tons do verde exuberante da paisagem que o cerca, atrelado ao marrom avermelhado da exploração de ferro. Nos entremeios desta complementaridade visual, o artista pinta o que paira na ambiência das casas, no universo intrínseco de quem as adentra e suas correlações cotidianas, das dinâmicas, objetos, animais de estimação e o que mais vai além à paisagem. É o reflexo poético do cotidiano mineiro, que carrega consigo profundas reflexões acerca do pensamento de estar no mundo e uma síntese dos mais diversos sentimentos explorados em cada tela.
Mais informações

Exposição ‘Patrimônio Imaterial Luso-Brasileiro’
Até 29/03
Endereço: Paço Imperial – Praça Quinze de Novembro, 48 – Rio de Janeiro (RJ)
As cores, os ritmos e os saberes do Patrimônio Cultural do Brasil vão se unir às manifestações da cultura portuguesa na exposição Patrimônio Imaterial Brasil-Portugal: a celebração viva da cultura dos povos, no Centro Cultural Paço Imperial, no Rio de Janeiro (RJ). Com cerca de 65 bens culturais dos dois países, a exposição é realizada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), autarquia vinculada ao Ministério do Turismo, em parceria com a Direção-Geral do Patrimônio Cultural de Portugal (DGPC). A mostra, inédita, conta com o acervo de mais de 200 peças que revelam ao visitante a riqueza do Patrimônio Cultural imaterial brasileiro e português. Objetos de museus, peças produzidas por mestres e artesãos brasileiros e por comunidades portuguesas (que compõem a cadeia produtiva do Patrimônio Cultural), incluindo peças de colecionadores, fazem parte da proposta do projeto.
Mais informações

Exposição ‘7 Povos’
Até 31/03
Endereço: Ruínas da Igreja de São Miguel Arcanjo – São Miguel das Missões (RS)
Uma experiência que faz o visitante viajar pela história e caminhos dos Sete Povos das Missões. Essa é a proposta da exposição 7 Povos: Retratos de Um Territórioque traz fotos, vídeos documentários, painéis, documentos antigos, conteúdo de arte-educação e muito mais. São obras que despertam os sentidos e provocam uma verdadeira viagem pelo território das Missões Jesuíticas-Guarani e sua paisagem cultural, com bens culturais reconhecidos como Patrimônio Cultural Brasileiro, do Mercosul e Mundial. A exposição 7 Povos aproxima moradores e visitantes dos bens que constituem o Patrimônio Cultural missioneiro. As fotos tomam vida em realidade aumentada em tablets e celulares, em que o observador ultrapassa o plano da fotografia e é levado para a cena em movimento, com sons e texturas. O público pode transitar pelos caminhos dos Sete Povos das Missões Jesuíticas-Guarani, em mesas digitais interativas que exploram, em detalhes, a cartografia do território. A mostra conta, ainda, com conteúdos para crianças, com jogos e atividades formulados especialmente para o público infantil, com liga-pontos digital das línguas faladas na região das Missões, jogos da memória e quebra-cabeças sobre esta rica paisagem cultural.
Mais informações


INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS (IBRAM)

Exposição ‘Scorzelli Megabichos’
Até 23/3
Endereço:
Museu do Açude (Estrada do Açude, 764 – Alto da Boa Vista | Rio de Janeiro – RJ)
A mostra exibe cerca de 20 instalações inéditas, em chapas de aço, que ficarão expostas ao ar livre, nos jardins do Museu. São girafas com 3,5m de altura, elefantes e polvos gigantes, além de outros bichos em exibição no espaço. A mostra também tem o objetivo de estimular o lúdico nas crianças, que poderão fazer sua própria obra de arte, reproduzindo um megabicho em papelão. Todas as instalações e os múltiplos das obras de arte estarão à venda. A classificação é livre e a entrada gratuita. O museu também oferece estacionamento gratuito.
Mais informações

Exposição ‘Contextos Afro Digitais’
Até 23/3
Endereço: Museu do Açude – Estrada do Açude, 764 – Rio de Janeiro (RJ)
A mostra exibe cerca de 20 instalações inéditas em chapas de aço, expostas ao ar livre, nos jardins do museu. São girafas com 3,5m de altura, elefantes e polvos gigantes, além de outros bichos. A mostra também tem o objetivo de estimular o lúdico nas crianças, que poderão fazer sua própria obra de arte, reproduzindo um megabicho em papelão. Marcos Scorzelli é carioca, formado em Design pela PUC Rio e começou a carreira inovando em projetos de arquitetura como designer de interiores corporativo e de cenografia. Com seu pai, criou a Scorzelli Arquitetura e Design, em 1993, e ao longo de 23 anos, recebeu vários prêmios por projetos corporativos desenvolvidos para grandes empresas. Fotógrafo amador, é apaixonado pelo Rio. Desenvolveu sua linguagem vivenciando a natureza e explorando todos os cantos da capital fluminense.
Mais informações

Exposição ‘Sergio Bernardes’
Até 12/4
Endereço: Museu Nacional de Belas Artes – Av. Rio Branco, 199 – Rio de Janeiro (RJ)
Instalada no Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), a iniciativa é parte do calendário oficial do Rio Capital Mundial da Arquitetura e um dos eventos preparatórios do 27° Congresso Mundial de Arquitetos (UIA2020RIO), a ser realizado na cidade do Rio de Janeiro em julho do próximo ano. A exposição é resultado de parceria entre o MNBA, a Associação de Amigos do MNBA e o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio de Janeiro (CAU/RJ). Arquiteto, urbanista, livre-pensador e “inventor social” como ele gostava de se apresentar, Sergio Bernardes concebia a atividade de arquiteto em um campo ampliado “capaz de conectar o menor objeto de design à escala planetária”. Dedicou-se, ao longo de uma trajetória de quase 70 anos de vida profissional, a estudar o Brasil e mais particularmente o Rio de Janeiro resultando em muitas propostas arquitetônicas e urbanísticas. Apesar de sua ampla e diversa produção, esta se mantem pouco conhecida e muitas vezes não reconhecida, apesar de suas obras comporem a paisagem carioca.
Mais informações

Exposição ‘Do Líquido ao Concreto’
Até 30/4
Endereço: Casa do Baile – Centro de Referência de Arquitetura, Urbanismo e Design (Av. Otacílio Negrão de Lima, 751, Pampulha | Belo Horizonte – MG)
A exposição apresenta um diálogo entre a arte e a arquitetura e reúne peças produzidas a partir de técnica de afresco desenvolvida pelo arquiteto Carlos Borsa. A técnica é inspirada no afresco tradicional e seu desenvolvimento no ambiente acadêmico propiciou novas alternativas de processos e soluções. As imagens transferidas para as peças possuem pinceladas abstratas de cor azul, que são formas inspiradas na arte asiática da porcelana e da pintura sumi-ê, mais precisamente, as artes chinesa e japonesa. Em todas as peças existem as mesmas medidas de altura e comprimento, com isso a face de cada peça possui a configuração regular do quadrado. Toda a geometria da exposição está ligada a um processo peculiar, onde o conteúdo visual de cada módulo tem uma autonomia estética, arraigado a uma metodologia sobre conceitos de experimentação, caos, seguida da instauração de uma ordem e percepção do acaso. Assim, a pintura é executada, gerando uma variedade de possibilidades composicionais, permitindo sua aplicação no design, arquitetura e nas artes visuais.
Mais informações

Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial da Cultura