Greve ameaça agenda para o Pan

publicado: 26/03/2013 21h44,
última modificação: 30/01/2019 15h39

Jornal do Brasil – RJ, Da Redação, 29/05/2007
A greve dos museus atinge 15 dias hoje sem previsão de terminar e em meio a planos de uma programação cultural para os Jogos Pan-Americanos. A novidade – esta seria a primeira vez que um Pan teria um calendário cultural – está ameaçada devido à paralisação. Ontem, o diretor do Departamento de Museus (Demu) do Ministério da Cultura, José Nascimento Júnior, fez uma ronda por cinco museus federais a fim de conversar com os grevistas e conferir as condições dos museus no Estado.

O caso mais preocupante é o do Museu Imperial, em Petrópolis, que, segundo denúncia dos sindicalistas, está funcionando por meio de empresas terceirizadas, o que pode comprometer a segurança. Nos locais visitados por Nascimento – o Museu Nacional de Belas Artes, Museu Histórico Nacional, Museu da República, Museu Villa-Lobos e Museu Chácara do Céu – os seguranças não entraram em greve.

Setenta instituições, entre federais, estaduais e municipais do Rio e de Niterói, deverão enviar até o fim desta semana uma programação cultural especial para o Pan a fim de mostrar aos estrangeiros a cultura brasileira. Apesar da greve, os museus federais – onde estão os acervos mais valiosos – já enviaram a programação, mas correm o risco de ficar fora do Pan devido à greve. O Ministério do Planejamento ainda não apontou solução para a crise.