Ministro e Secretários

Foto:Patrick Grosner

Osmar Terra

Ministro da Cidadania

Osmar Gasparini Terra, 68 anos, assumiu o Ministério da Cidadania no dia 2 de janeiro de 2019. Nascido na cidade de Porto Alegre, o gaúcho foi escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro para comandar uma das pastas mais importantes das áreas social – desenvolvimento social, esporte e cultura – do governo federal.

Formado em medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Osmar Gasparini Terra se especializou em Saúde Perinatal, Educação e Desenvolvimento do Bebê na Universidade de Brasília (UNB). Na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC/RS) concluiu o mestrado em Neurociência.

Terra ingressou no Partido do Movimento Democrático Brasileiro (MDB) em 1986. Em Porto Alegre (RS), Osmar Terra foi superintendente do Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social (Inamps), de 1986 a 1988, durante a implementação do Sistema Único de Saúde (SUS) no estado. Trabalhou como secretário estadual de Saúde do Rio Grande do Sul, no período de 2003 a 2010. Foi nesse período que arquitetou e implementou o Programa Primeira Infância Melhor (PIM), que se tornou em política pública estadual em 2006. Foi secretário executivo do Programa Nacional Comunidade Solidária, de 1999 a 2001.

Foi eleito prefeito da cidade de Santa Rosa (RS), em 1992. Como suplente na Câmara Federal, ocupou a cadeira de deputado de 2001 até 2003. Em 2007, foi eleito deputado federal pelo Rio Grande do Sul.

Atualmente, Terra está no sexto mandato como deputado federal pelo MDB, reeleito em 2018. A primeira infância é uma de suas principais bandeiras. Em sua atuação no Congresso Nacional, Osmar Terra foi autor da lei 13.257/2016, que instituiu o Marco Legal da Primeira Infância. Em maio de 2016, Terra assumiu o, então, Ministério Desenvolvimento Social (MDS) onde passou a cuidar de programas como o Bolsa Família e financiamentos direcionados à agricultura familiar, além de ter implementado em outubro do mesmo ano o Programa Criança Feliz.

Secretários

Foto: Patrick Grosner/MDSA

Tatiana Alvarenga

Secretária-Executiva

Tatiana Barbosa de Alvarenga é economista e atua há 18 anos no executivo federal, sendo 15 anos em cargos e funções de liderança em gestão de políticas públicas. Ocupou por cerca de dois anos o cargo de secretária-executiva adjunta do Ministério do Desenvolvimento Social e, a partir de abril de 2018, ocupou o cargo de secretária-executiva do MDS.

Formada pela Universidade Católica de Brasília, é especialista em Formulação de Políticas Públicas e possui amplo conhecimento nas áreas de logística, contratações, ordenamento de despesas e de pessoal no governo federal.

É também especialista em Formulação de Políticas Públicas Sociais pela Organização Iberoamericana de Seguridade Social (OISS). Contribuiu diretamente na elaboração, articulação e implantação de políticas públicas nas áreas da Saúde e da Assistência Social, como a elaboração de normas para o processo de Certificação de Entidades de Assistência Social (CEBAS) Saúde e no Serviço de Urgência e Emergência, na implantação do Programa Criança Feliz e do Progredir, além da revisão de Benefícios por Incapacidade do INSS.

Por 12 anos, atuou no Ministério da Saúde em diversas funções na Secretaria de Atenção à Saúde. Além disso, por três anos e meio, foi supervisora dos Contratos no Hospital da Criança de Brasília, referência nacional de atendimento no SUS.


 

Henrique Medeiros Pires

Secretário Especial da Cultura

Gaúcho, Henrique Medeiros Pires é graduado em Estudos Sociais pelo Instituto de Ciências Humanas da Universidade Federal de Pelotas (UFPel – RS), com especialização em formulação de políticas públicas pela Universidade de Salamanca (Espanha). Henrique Medeiros Pires também é jornalista e radialista. De 2016 a 2018,  foi chefe de gabinete do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), atuando na gestão de Terra. 

Na UFPel, foi diretor do Departamento de Arte e Cultura e atuou na criação dos cursos superiores de Cinema e Animação e Teatro. Também foi secretário municipal de comunicação de Pelotas e dirigiu fundações de cultura, entre elas o Instituto João Simões Lopes Neto. Henrique Medeiros Pires ainda presidiu a extinta Fundapel e foi coordenador de feiras de livros, festivais de teatro, dança e artes visuais, e um dos responsáveis pela preservação de sítios históricos no Rio Grande do Sul.